quinta-feira, 27 de março de 2008

10 anos



Faz hoje 10 anos que fui ordenado.
Fora dos sacramentos de iniciação, a ordem é o único que imprime carácter, como se dizia. Que reconfigura a identidade.
Para lá da eficácia, dos aplausos, dos fracassos (porque nada disso imprime carácter; tudo isso passa) permanece o desafio da representação.
No início dos anos 90 discutia-se bastante a questão do sacerdócio. (Ou eu dava-me com quem parava para pensar nisso). Ficou-me a ideia do sacerdócio como representação. a 1ª vez que ouvi a expressão fiquei um bocado aflito. Que termo tão legalista, tão comercial! Mas depois fui percebendo melhor a coisa. o padre como re-presentante. Pelo que ele é (não pelo que faz, apenas), pelo que Cristo o faz ser, o padre está chamado a ser Presença de Cristo no seu povo.
Que avaliação?
Mudei.
Poderia e deveria ter mudado mais. As boas convicções estão ainda mais fundamente escritas na carne. Nem sempre tão generosamente operacionalizadas.
As pessoas mudaram nestes 10 anos. Passou João Paulo II.
Os amigos continuam a sê-lo. E mais fortes porque o vencer e entropia do tempo já é uma vitória. E faz-nos companheiros, gente que se senta à mesma mesa a comer o Pão que o Companheiro nos dá.
Outros transitaram dos amigos para o limbo dos nomes que se hesita em conservar na agenda. Por causa das distâncias do espaço. Mas muito mais porque os valores mudaram, os interesses que nos juntavam, viemos a descobri-lo não eram tão comuns como isso. Ou porque o amor que nos unia não era forte ao ponto de se tornar perdão que cure as feridas e as más comunicações.
Gente melhor que eu deixou o ministério e dedicou-se a ser consumidor na Igreja.
Outras pessoas aparecem no cenário.
Vai ficando este amor pós-moderno à tangente. Estamos aqui, encontramo-nos aqui. Podemos bem partilhar razões de viver e de esperar. fazer juntos este pedaço da estrada. na pobreza assumida de quem aceita ser padre, no provisório dos encontros.
E também o prazer de fazer parte do caminho com estes amigos e companehiros umas vezes à toa, outras não. Umas vezes na "paia" outras noutro lugar qualquer.
Este ano aqui, para o ano em Jerusalém diziam os exilados judeus.
Este ano aqui, convosco. Para o ano... um pouco mais à frente.

6 comentários:

Idália disse...

Parabéns! Nos tempos que vão correndo cada vez é mais dificil festejar 10 anos seja do que for... Admiro a tua coragem e perseverança.
O teu testemunho tem sido alento para mim. Revi-me um pouco (muito)naquilo que deixaste neste testemunho. Cada vez mais, sinto que "Outros transitaram dos amigos para o limbo dos nomes que se hesita em conservar na agenda...porque o amor que nos unia não era forte ao ponto de se tornar perdão que cure as feridas e as más comunicações."
Puseste em palavras aquilo que eu muitas vezes sinto e não consigo "falar" ou se calhar prefiro "calar".
Este ano estou contigo e para o ano espero contuinuar a estar.
Um beijo do tamanho do mundo
Idália

sergiofraga disse...

10 anos... parece que foi ontem...
Para além de dar os parabéns, é altura de agradecer.
O quê? Tudo... exemplo... dedicação... partilha... conversas infindáveis... comunhão... caminho feito...
Este ano companheiros na caminhada, para o ano? Acredito que também (quanto mais não seja, porque temos o GPS para terminar :)
Recebe um grande abraço!

lilianasista disse...

ola pe rui...muitos parabens.. tens caminhado bem nesta estrada cheia de curvas e obstaculos, ao qual chamamos vida... tens alguem bastante especial ao teu lado e que te ajuda nesta caminhada... esperu k continues smp a subir a montanha....um beijinhu mt grande

Sílvio disse...

Bem, Pe. Rui uma década é uma década e nós que temos sempre a mania dos números redondos de algum modo sentimos algo de especial quando passamos por estas datas.

Gostei muito do testumunho. E da palavra 'Companheiro'. Não o conheço há muito tempo e o que nos ligou começou por ser a música e agora algo um mais forte. Há sempre tema de conversa com o Rui Alberto.

Pela perseverança e fidelidade a ideais e causas

Rui Alberto = exemplo.

Um abraço!

joao ne7es disse...

bem, confesso que achei q essa caminhada ja iria mais longa.

já vao sendo bastantes as horas que partilhamos, ou em reunioes de grupo, ou em estágio, ou em retiro, ou em estúdio, ou concertos, ou em viagens, umas mais longas que outras, ou em outros momentos, e estar contigo significa quase sempre: aprender alguma coisa!

e assim sendo, pra nao me alongar mais (muito mais poderia ser dito), agradeço os exemplos, as motivaçoes, os desafios, e o que aprendi e espero continuar a aprender contigo :)
muitos parabéns! longa vida ao Rei! AO RUI!!! - enganei-me! :P

abraço

Claudine disse...

Rui,
Obrigada por partilhares o que foste, o que és e o que te propões a ser. Parabéns por estes dez anos e por tudo aquilo que os ultrapassa.
Admiro-te pq impeles os que te rodeiam a fazer da sua vida um video-clip da música do Valter "Sê o melhor do que quer q tu sejas!"
Ânimo e Oração