sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

O Jejum

"...O jejum que me agrada não será antes quebrar as cadeias injustas, desatar os laços da servidão, libertar os oprimidos, destruir todos os jugos? Repartir o teu pão com o faminto, dar pousada aos pobres sem abrigo, levar roupa aos que não tem que vestir?
Então, se chamares, o Senhor, Ele responderá: ESTOU AQUI"

(da 1ª. leitura da Missa de 27/02/09, Isaías 58,1-9a)


DESATAR... LIBERTAR... QUEBRAR... REPARTIR... DAR... LEVAR... VESTIR...
Que terão estes verbos a ver com o nosso "querido" jejum de "não comer doces"? Este, se não for "revestido" da caridade, conserva-nos espiritualmente infantis, mantém-nos numa rotina, e Deus não está em rotinas. O outro, faz-nos "crescer" para Deus e "cheirar" a Deus! "É um processo" que vai libertando a nossa liberdade, leva-nos a largar o que não é essencial. No fim do processo, ouvimos um "OLÁ" do Senhor: "ESTOU AQUI"!


Teresa Olazabal

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Casamento homossexual

O tema está aí. Os debates, as notícias multiplicam-se. Como cidadãos e cristãos não podemos ficar à margem da questão. Para ajudar ao discernimento, partilho a nota pastoral da conferência episcopal:

Em favor do verdadeiro casamento
Nota Pastoral do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa

Veio a público recentemente a intenção de, na próxima legislatura, ser proposta à Assembleia da República uma lei que equipare as uniões homossexuais ao casamento das famílias constituídas na base do amor entre um homem e uma mulher.
Sem se pronunciar agora sobre a questão mais geral da homossexualidade, o Conselho Permanente da Conferência Episcopal não pode deixar de lamentar esta tentativa de desestruturar a sociedade portuguesa com a adopção de leis que, longe de contribuírem para o seu progresso e unidade, manifestam antes uma concepção desfocada dos valores que se encontram na base do nosso modo de viver, entre os quais o casamento e a família têm um lugar privilegiado.

1. A verdade da vida humana assenta na complementaridade do homem e da mulher. É esta complementaridade dos sexos, expressa de um modo eminente no dom total e perene do amor entre um homem e uma mulher, por princípio aberto à geração de novas vidas, que está na base antropológica da família. Só assim esta pode desempenhar a relevantíssima função de célula base da sociedade, que assegura a sua renovação harmoniosa. Isso mesmo é universalmente assumido pelas diferentes culturas e civilizações, é afirmado pela revelação judaico-cristã, e assim o reconhece implicitamente a nossa Constituição da República e explicitamente o Código Civil Português.

2. Defendemos a verdade dos conceitos de casamento e família. Pretender redefini-los seria porta aberta para diversos modelos alternativos à sua autenticidade genuína, o que constituiria fonte de perturbação para adolescentes e jovens, com a sua identidade em estruturação, e enfraqueceria a instituição da família, célula base de todas as sociedades. A família, fundada no casamento entre um homem e uma mulher, tem o direito a ver reconhecida a sua identidade única, inconfundível e incomparável, sem misturas nem confusões com outras formas de convivência.

3. A homossexualidade é um fenómeno conhecido desde a antiguidade, caracterizado pela expressão preferencial da afectividade e da sexualidade entre pessoas do mesmo sexo. Se, por vezes, ela constitui apenas uma etapa transitória no desenvolvimento da criança ou adolescente, o seu prolongamento pela idade jovem e adulta denota a existência de problemas de identidade pessoal.

A Igreja rejeita todas as formas de discriminação ou marginalização das pessoas homossexuais e dispõe se a acolhê-las fraternalmente e a ajudá-las a superar as dificuldades que, em não poucos casos, acarretam grande sofrimento. Contudo, fiel à razão, à palavra de Deus e aos ensinamentos recebidos, a Igreja não pode deixar de considerar que a sexualidade humana vivida no casamento só encontra a sua verdade e plenitude na união amorosa de um homem e de uma mulher.

4. Não nos pronunciamos agora sobre eventuais modos com que o Estado possa ir ao encontro dos problemas e aspirações das pessoas homossexuais. Rejeitamos, contudo, que a união entre pessoas do mesmo sexo possa ser equiparada à família estavelmente constituída através do casamento entre um homem e uma mulher, e o mesmo se diga de uma lei que permita a adopção de crianças por homossexuais. Tal constituiria uma alteração grave das bases antropológicas da família e com ela de toda a sociedade, colocando em causa o seu equilíbrio.

5. Queremos ainda chamar a atenção para a necessidade de iniciativas que ajudem as famílias estavelmente constituídas a superar os problemas económicos que muitas atravessam, que as valorizem como lugar primordial de educação dos filhos e que favoreçam a sua importância na vida social.

Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, 20 de Fevereiro de 2009
in http://www.agencia.ecclesia.pt

Carnaval CJS

À semelhança de anos anteriores, o CJS não ficou à margem do Carnaval e das suas brincadeiras. Estas repartiram-se por dois momentos: o primeiro foi no Sábado, com as crianças da catequese




Na noite de segunda-feira foi a vez dos grupos de jovens e alguns amigos se divertirem




Ficam também alguns vídeos da folia

video

video

video

"Se alguém quiser seguir-Me..."

...Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias...
(do Evangelho da Missa de 26/02/09, Lc. 9,22-25)


Fascina-me esta linguagem de Jesus: " 'se' quiseres" = não obriga... propõe-me, desafia-me: "SE..." "QUERES...?" "OK! Então pega na tua cruz" - isto é: PEGA NA VIDA! PEGA NO TEU DIA-A-DIA! INTEIRO! ...com tudo o que ele te trouxer - o bom e o mau e ANDA! "Renuncia a ti mesmo" ou seja: não faças as coisas sozinho! Não prescindas de Mim! Estou contigo! Seremos os dois: tu e Eu que vamos fazer da tua vida... VIDA NOVA!!!

Quem LHE pode resistir?
QUEM LHE VAI DIZER QUE NÃO O QUER SEGUIR?
"BORA AMIGOS!!!"

Teresa Olazabal

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Mais um pensamento

Desculpa Tita mas não pode ficar num simples comentário, obrigado pela mensagem.
Tudo o que está entre aspas e em itálico foi a Tita que quis partilhar connosco.

"Muitas vezes nas nossas vidas “afeiçoamo-nos” aos pecados dos outros, numa tentativa de esquecimento dos nossos próprios pecados. Agora é a altura certa para encontrar a reflexão a que tantas vezes tentamos escapar, colocar a mão na consciencia e pedir perdão por todos os nossos erros.

“Ele quer começar/aumentar uma intimidade "pessoal" com cada um de nós nesta Quaresma.” E a minha resposta é positiva, quero mesmo cair nos braços de Jesus e converter-me. Retirar do coração a raiva, a inveja, toda a espécia de sentimentos cruéis que nele possam pairar e abri-lo ao perdão, ao amor, abri-lo a todas as atitudes que me façam crescer na Fé e aproximarm-me de Jesus, de todos os meus irmãos.

Há pouco tempo atrás eu e uma amiga minha estávamos na net a pesquisar sobre a quaresma porque ela tinha que fazer um pequeno trabalho para a catequese dela e surgiu-nos um site com esta pequena oração. Decidimos que a iríamos dizer todos os dias, ao acordar.

Senhor Jesus, recebi o convite para passar a Quaresma em clima de conversão. Faltam-me forças e coragem para prosseguir no caminho.
Apanha-me em Teus Braços Jesus, e como Bom Pastor, conduz-me até as fontes das águas puras onde serei lavada e purificada de meus pecados e começarei uma Vida Nova.
Amém!


Todas as orações que possamos dizer nos deixam mais leves, o “simples” facto de falar com Jesus torna-nos melhores. Falar com o Pai é estar próximo dele. Entrar no quarto, fechar a porta e orar ao Pai é tão bom! Pedir forças ao Pai é, de certa forma, reconhecer que fracassamos, reconhecer que devemos ser humildes e pedir perdão. É também ter vontade de nos erguermos, ter vontade de prosseguir e não desistir. E quando realmente pomos toda a nossa a fé na oração, as forças que tendem a escassear voltam, a vontade que parece evaporar-se surge novamente nas nossas vidas e o caminho que parece nem existir, torna-se amplo."

Pois é Idália, parece que nome não precisam mas e um blog? Com gente a escrever assim aos16 anos...

Início da caminhada

Iniciamos hoje a nossa longa caminhada até à Ressurreição.
Tempo de reflexão, perdão, conversão, oração, intimidade com o Pai.
Para nos ajudar a estar mais próximo do Pai durante esta Quaresma, colocarei aqui (com a maior brevidade possível), a reflexão da Teresa Olazabal sobre as leituras desse dia.
Boa caminhada... encontramo-nos pelo caminho!

4ª. FEIRA DE CINZAS

"...Tu, porém, quando rezares, entra no teu quarto fecha a porta e
ora a teu Pai em segredo..."

(do Evangelho da Missa de 25/02/09, Mt. 6,1-6 e 16-18)

4ª. feira de Cinzas, "porta de entrada" na Quaresma. É-nos pedida a conversão, ou seja, deixar-nos conquistar por Jesus, e com ELE, e nEle "voltarmos" ao Pai. É fantástica esta ânsia que Deus tem de mim... de ti... e que não tem vergonha de mostrar! Ele quer começar/aumentar uma intimidade "pessoal" com cada um de nós nesta Quaresma. Não com uma multidão... ELE é mau em matemática, só sabe contar até "UM" - eu, tu! "Em segredo". Vamos aceitar o namoro que o Senhor hoje nos propõe?

"Entra no teu quarto... FECHA A PORTA(!!!) E vamos os dois falar...!"

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Jogo do Lobo - dia 19

Depois de uma reunião com aquele grupo que ainda não tem nome (está dificil...) ficam aqui algumas fotos do jogo que a Inês tanto gosta e vive...LOL "EU SOU O CINCO DE COPAS!!!"




segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Engenharia do ser

O Rui acabou por me motivar a fazer um blog e cá está ele:

Engenharia do Ser

Nada de especial, mas façam uma visitinha!

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Porque é Carnaval....Aqui vai...

Olá olá a todos!

Como é Carnaval...decidi postar outro dos grandes Hits Portugueses (ou não)



Espero que amanhã a festa corra bem..tenho pena de não poder ir..depois postem fotitos..

Beijinhos daqui até aí ( lol )

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Fraga à Toa

Entre risos e gargalhadas, eis que surge a bela Idália. De bolo e rosa na mão, espanta o seu marido, Fraga.

Ele, entontecido com tanta ternura, leva a sua mão ao coração, estupefacto solta um sorriso.

Fraga à toa, a melhor descrição para este momento.


By: Grupo de Jovens 1

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

despertador!

só para relembrar aos tas-à-toanos que
1) amanhã, dia 18, quarta-feira há oração de Taizé nas Taipas
2) dia 19, quinta-feira, há reunião no sítio do costume que não é supermercado!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

as pantufas

Continua a minha crónica de Roma.
À espera ainda das fotos do jantar.
Por aqui a minha instalação está quase terminada.
Hoje fui à rua, apesar do frio de rachar que fazia e comprei umas pantufas.
Para mim é um sinal de liberdade não ter os pés oprimidos com sapatos apertados.
De resto continuo nas leituras, a mandar postas no meu blogue académico.
E a rezar por vocês.
E desejoso de saber notícias.
Já ouvi 4 dos temas do UT. LOL. Promete.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

"UT" - vem aí a nossa estrela!!!



Toca a colocar na agenda: 07 de Março, 21h30, Capela do COP, concerto de estreia do João!!!
Apesar da explicação para o nome do trabalho ("UT"), já nos ter sido dada, deixo aqui as palavras do Rui:

"UT significa apenas dó; é o nome antigo da primeira nota da escala musical. E essa primeira nota da escala recorda-nos a primeira palavra de Deus sobre nós. Uma Palavra criadora e libertadora que diz quem somos e quem estamos chamados a ser. UT é a palavra originária que nos define, que marca a melodia da nossa vida. Mas UT é também TU (basta trocar a ordem das letras). Tu que encontramos pela vida, na família, os amigos, o emprego. Mas também o primeiro Tu: Deus. Um Tu que nos convida à harmonia com Ele, com a existência, com os outros."

De certeza que vai ser fantástico!!!

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

mais notícias

Olá a todos. Agora com mais calma vou dando mais notícias.
A minha instalação já está quase terminada.
Eu estou integrado numa comunidade chamada "Dom Bosco". Somos quase 70. A maioria é mais nova do que eu. Dominam os africanos e os indianos. Estão também connosco alguns padres diocesanos. Temos até um budista.
Isto aqui tem dois grandes vectores: as comunidades e a escola.
Ao todo há 6 comunidades de salesianos. 3 de professores e 3 de alunos. Há também uma comunidade de filhas dos sagrados corações, uma congregação da família salesiana dedicada às questões da saúde. Cada comunidade tem uma capela própria, um refeitório e espaços próprios de residência. Mas como somos muitos, eu e uns tantos estamos com os quartos fora do espaço da comunidade. É chato mas não é nada por aí além Os serviços de alimentação e lavandaria são comuns a todas as comunidades.
A universidade tem 6 faculdades: teologia, ciências da educação, direito canónico, línguas clássicas, filosofia, comunicação social. Ao todo são mais de 1800 alunos. Claro que há cursos mais concorridos que outros.
Agora estou na fase de alinhavar o esquema de trabalho. Só sou obrigado a frequentar um seminário de investigaão e um tirocínio de docência. Mas possivelmente vou inscrever-me num ou noutro curso que me possa interessar.
Pegando na ideia do diário de bordo tive a ideia de a aprofundar. Não sei bem se vale a pena escrever à mão; com a minha cacografia nem eu consigo ler o que lá escrevesse! Pensei em ir deixando aqui no blogue as informações de tipo mais pessoal e num outro blogue as questões de investigação. Este blogie foi criado por mim mas quase não escrevi lá nada. Se calhar pode ser bom para isto.
Impressões? O acolhimento tem sido porreiro. Claro que o facto de já cá ter estado, de dominar a língua, de saber dar desconto aos stronzi do costume (um stronzo é uma besta, um alarve...) ajuda. Há algum pessoal que chegou agora e está algo perdido: as línguas, as rotinas... O ambiente no refeitório e na capela é muito estimulante.
Gosto desta sensação de estar com irmãos de outras latitudes, com outras cores, com outras experiências. Há aqui gente com histórias de vida muito interessantes. Acima de tudo gosto desta grandeza. Grandeza no sentido de não nos deixarmos amarrar pelo pequenino, pelas rotinas, pela lógica do nosso cantinho. Aqui procuramos estar sem medo de enfrentar novas ideias, novos desafios. O mundo é maior do que a nossa experiência pessoal. E esta descoberta ajuda a descobrir que o futuro pode ser maior/melhor do que as circunstâncias de cada um.
Coisas mais pessoais: o email não está a funcionar a 100% porque há por aqui uns filtros malandros; mas tenho portátil novo com webcam: se algum pintar o cabelo de roxo, deixem-me ver.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

daqui de Roma

Olá pessoal.
Já cheguei a Roma. a viagem correu bem. Tenho estado a arrumar as coisas (quarto, aceder à net, aos telefones, burocracias escolares...)
Somos quase 70 na minha comunidade. De muitas cores e formatos. tem sido bom rever algumas pessoas (colegas e profes) que não via há alguns anos.
Obrigado pela vossa presença na despedida. Vou dando notícias.
Quando é que postam as fotos do jantar?

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Celebrar D. Bosco



Ontem dia de festejar D. Bosco com as crianças, hoje dia de celebrar em comunidade o dom de Deus para connosco: ter-nos dado o "Pai e Mestre dos jovens"!
Partilho convosco algumas das palavras do nosso director, Pe Paulo Pinto:

É com alegria que hoje, comunidade cristã e Família Salesiana, nos reunimos em Cristo para fazermos memória de S. Jão Bosco.
O Papa João Paulo II concedeu-lhe o título de "Pai e Mestre da juventude". De facto, ao olharmos para esta figura da Igreja e da humanidade, compreendemos como o nosso Deus, o Deus de Jesus Cristo, se faz próximo dos mais débeis, dos mais frágeis, daqueles que mais sentem no corpo e no espírito o egoísmo humano, a manipulação ideológica, o jogo de interesses políticos e económicos.
S. João Bosco viveu numa época marcada pelo início da revolução industrial. Muitas crianças e jovens deixam as suas aldeias e a protecção familiar para irem ganhar algum dinheiro na cidade.(...)
A lei desconhecida a expressão trabalho infantil. (...) Os jovens viviam indefesos contra patrões e políticos sem escrúpulos e uma grande indiferença social.
D. Bosco conhece esta realidade. De alguma forma também a experimentou (...), quando para estudar tem de ter vários empregos para poder pagar os estudos e a sua comida.
D. Bosco não nasceu santo, fez-se santo! Desde cedo começou a olhar para Deus como Pai e Jesus como aquele que morre pelos pecados dos homens. (...)
Contemplou a realidade do seu tempo e como Jesus de Nazaré, sentiu compaixão por aqueles que andavam como ovelhas sem pastor; presas fáceis de lobos ávidos de miséria e destruição humanas. E como Jesus de Nazaré comprometeu-se a libertar da escravidão do mal, todos os jovens, ensinando-os a olharem-se como filhos de Deus.
Compreendeu que a educação permitiria aos jovens quebrar ciclos de pobreza; (...)
Compreendeu que a educação permitiria uma formação humana consistente, em valores e princípios sólidos; que permitiria que a sociedade se enriquece-se com bons cristãos e honrados cidadãos.
D. Bosco foi profeta da juventude: um homem apaixonado por Deus e apaixonado pela humanidade. (...) Um homem verdadeiramente discípulo de Jesus Cristo que fez da sua vida um hino à caridade de Deus.
(...) Com D. Bosco aprendemos a ser profetas, a ser humildes e simples mas a sonhar os sonhos de Deus. (...) Aprendemos a fazer da própria vida um dom no serviço dos mais frágeis e dos mais débeis, e uma arma contra políticas que escravizam, culturas de morte, ideologias que roubam a esperança e a dignidade de ser filho de Deus.

CJS - D. Bosco

Ontem dia 31 de Janeiro, como não podia deixar de ser, o CJS foi invadido por uma atmosfera especial: era hora de celebrar essa figura tão especial para todos nós que é D. Bosco. A ideia inicial e que vinha sendo programada e preparada, passava por porporcionar aos mais novos uma saída ao Parque da Lavandeira, fazendo mímica daquilo que D. Bosco fazia com os seus jovens, ou seja, depois de uma pequena oração, seguiam-se os jogos e actividades mais lúdicas (algo tão próprio dao começo da pedagogia salesiana). No entanto, e infelizmente, a meteorologia não esteve do nosso lado e a chuva não permitiu a saída do colégio. Mas, sem desanimar, realizaram-se as mesmas actividades dentro do recinto do COP.

Foi uma tarde animada em que muitos de nós estiveram envolvidos activamente de forma a proporcionar à criançada uma tarde acima de tudo diferente em que aprendem sempre mais um bocadinho sobre a figura e o santo que foi D. Bosco.

(se tiverem fotos digam que depois poderei editar a mensagem!)